Menu

Deep Freeze Congelados

Interactivo

Dó-Ré-Mi










Poesia e prosa entrelinhas
03Jan2017 15:21:13
Publicado por: Diana Balis

gisele.jpgPoesia, Prosa & Entrelinhas

Gisele Lemos

Hoje vou homenagear, o sonetista, Manoel Virgílio.

Manoel Virgílio Pimentel Côrtes, Sonetista, fez do soneto sua forma de expressão. Tem três livros publicados, todos de sonetos: “Mulher Estelar”, “Tratos de Amor e Outro Tratos” e “A Terra Em Agonia”, além da participação em várias antologias. Membro titular da “Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores” e Membro Fundador da Academia Virtual dos Poetas da Língua Portuguesa onde ocupa a cadeira cujo patrono é Vicente de Carvalho.

 

Eumanoel.jpg

Manoel Virgílio

 

Somente sou de um todo sua parte

e nada, neste mundo, nunca mudo.

Sozinho sou, apenas, um encarte,

um sócio sem gerência nesse tudo.

.

Eu guardo, p'ra mim mesmo, meu sentir,

procuro ser diverso em meu querer.[

Se tenho esse direito de ir e vir,

contudo me é negado o poder ser.

.

Eu sou somente um pingo na enxurrada,

das águas se movendo em turbilhão

que seguem, de roldão, num arrastão.

 

Eu sou quem tudo quer, mas não tem nada,

no ciclo da existência programada, apenas mais um ser na multidão.

Desigualdade

Manoel Virgílio

 

Somente elites na sociedade

mantém as regalias; é verdade!

Jamais houve na nossa humanidade

o que muitos pregaram…a igualdade!

 

Enquanto u'a minoria muito come

a grande maioria passa fome.

No luxo vai vivendo a minoria,

co'o lixo convivendo a maioria.

 

Se cresce a miséria entre o povo,

elites váo comprando algo novo

e o mundo nunca muda este rumo!

 

E quanto mais a técnica avança,

aumenta p'ras elites a abastança

e cresce a sociedade de consumo.

 

Ceia de Natalano_2017.jpg

Gisele Lemos

 

Teremos as pernas para que te quero, além de peru no Natal!

Rompantes deslizantes, em vez de sandálias havaianas, na praia de Copa.

Fogos, só sairão dos Hotéis da Barra da Tijuca, ou na orla à fora, de famílias inquietas.

Seremos pós virada, o sereno da madrugada, e os velhos amigos de sempre…

O colorido das roupas, poderão vir dos representantes dos Brasis em brasa, que acendem suas chamas na esperança, entre PEC, ou cai a PEC.

Mas todos de clavas nas mãos, vai que teremos arrastão!

E já seremos o carnaval, onde beberemos ao esquecimento e as mais soturnas votações de corruptos eleitos, ou nem tão eleitos assim…

Vai que cola, faz uma prece a Iemanjá, ou pede a Deus Pais todo poderoso a protecão ou a Oxalá, na pressa, ou prece, medite. 

E solicite a todos os santos, que a vida é curta, nem precisa ser tão dura ou louca.  

Mas pague suas contas ao menos, no 1o de Abril e seremos felizes um dia, com certeza.

Boas Festas!

 



Partilhar:

Artigos Relacionados
Vida Nova
Transcende e vem
Livro VERDES E PERFEITOS AMORES
Vem Nego (Jazz)
MAR
Porque perde tempo?
Amor virtual (poema erótico)


Para poder comentar necessita de iniciar sessào.