Menu

Deep Freeze Congelados

Interactivo

Dó-Ré-Mi













Contos da Vida
03Ago2010 13:37:52
Publicado por: Diana Balis

Contos da vidacampo_de_trigo_com_sol.jpg

O sol veio acalentar o dia, o céu azul esperava atitudes, o vento nem espreguiçava. As vontades estavam sonâmbulas. E solitária numa manhã de domingo, aonde o café era ardente e quente com torradas e mel, as sensações do dia eram de pura melancolia.  

Reagia e colocava o biquíni minúsculo e amarelo com flores coloridas, alegrava o corpo com a possibilidade de quem sabe ir de encontro do meio ambiente.
A praia estava lá do outro lado do morro, o terraço era só feito de um silêncio ao despertar os pássaros, e quando da bica abria-se a água fria, eles piavam. 
A Carioca também tem dias solitários. E estar aqui ou acolá na praia, esse dia, seria como que cercada por desconhecidos. E preferiu o acerto do tempo que nem passava. 
A cadeira estendida ao corpo que debruçado ficou a deitar-se com o sol. 
Mas como todos os domingos, o helicóptero não parava de ir e vir, como a expiar ou ir a praia vistoriar o horizonte. 
Sempre existem possibilidades adversas,novas estórias, e na Tijuca, aonde vivem pessoas cercadas de morros, tão lindos os morros... O Cristo que era só na imaginação, e os prédios desertos na manhã dirigente e linda de agosto. 
Ao abrir os olhos, a poeira do ar parecia mover-se. E será que teria tomado muito sol? E correu para beber a água gelada. Caminhou para olhar novamente o céu, e continuar a ver algo se movendo, aproximando e descendo. Era mais um dia de existência e porque tanto brilho? Ela não estava de óculos e enxergava cada vez menos, é verdade. Mas algo de muito brilhante caia do céu e verdadeiramente sobre ela. E quando percebeu ao seu lado no chão, já vários papéis laminados picados em queda do céu.  Eram quadradinhos cortados e jogados sobre ela do helicóptero? - Só poderia ser. 
E iluminando a sua manhã de solidão, sentiu (uma princesa, uma estrela, um trevo de quatro folhas) e sorriu ao horizonte, agradeceu a Deus, ao Homem que passara e transformou a sua manhã numa verdadeira manhã de luz e paz.  E esse momento seria perpetuado para sempre nesse conto inesquecível.
-Agradeço!
 
 
Diana Balis, Rio de Janeiro, 3 de agosto de 2010.
Em uns poucos quadros Van Gogh representou o nascer do Sol. Acima mostramos uma dessas obras.
Campo de trigo com ceifeiro e Sol



Partilhar:

Artigos Relacionados
Cometa sempre
Evento Poético de Rio das Ostras
Viagem II
Cama E café (Bed and Breakfast)
Opressão vivida (Texto para eleitores)
Alma Safada XII,XIII,XIV,XV
Teoria do Sol


Para poder comentar necessita de iniciar sessào.